"Sendo a última profissão romântica, a Medicina será sempre de melhor Qualidade
quando praticada por homens de cultura",João Cid dos Santos
Pagina PrincipalAjudaContactos Idioma Ingl�s > em prepara��o Idioma Portugu�s Tamanho de Letra Reduzido Tamanho de Letra Aumentado
   
  Portugal, Terça-Feira, 26 de Setembro de 2017
10:37:07
» Prémio João Lobo Antunes - candidaturas até 20 de outubro      » Ingresso no Internato Médico - PNS 2018      » Entrevista dada pelo Médico Dr. António Gentil Martins: resposta a quem manifestou a sua opinião junto da OM      » Regulamento do concurso de fotografia digital da OM - 2018      » XXIII Jornadas de Cardiologia de Santarém, 21 e 22 de setembro      » Cursos breves de pós-graduação do Centro de Direito Biomédico, 2017/2018     
 
Protocolo AXA
 

Notícias

MÉDICOS DEVEM REPORTAR CASOS DE FALHAS NAS EQUIPAS MULTIDISCIPLINARES DOS PARTOS
 
Caros colegas,

Como é do vosso conhecimento está em curso, por tempo indeterminado, um processo reivindicativo dos enfermeiros especialistas em Saúde Materna e Obstétrica, que utiliza como forma de protesto a recusa em executar todo e qualquer ato que não esteja previsto na descrição de funções de um enfermeiro generalista (protesto de zelo).

Adicionalmente, antevê-se que, em face do pré-anúncio de greve para os próximos dias 11 a 15 de setembro de 2017, as equipas multidisplinares de assistência às grávidas e dos blocos de partos dos hospitais possam ser afetadas na sua composição.

A composição destas equipas, do ponto de vista da qualidade e da segurança dos atos médicos a praticar, deve obedecer às condições mínimas de funcionamento dos blocos de partos, conforme se encontram definidas na Norma Complementar 1/2013 do Colégio de Especialidade de Ginecologia Obstetrícia (homologada pelo Conselho Nacional Executivo da Ordem dos Médicos em 28.02.2014).

De acordo com a referida Norma Complementar os blocos de partos devem cumprir diversas regras, nelas se incluindo a necessidade da presença de dois enfermeiros, um dos quais obrigatoriamente com a especialidade de enfermagem obstétrica (norma anexa).

Assim, sempre que a composição das equipas não esteja assegurada, os médicos podem e devem apresentar por escrito um requerimento dirigido ao Conselho de Administração do hospital, ao Diretor Clínico, ao Diretor de Serviço de Ginecologia Obstetrícia e com conhecimento do Bastonário da Ordem dos Médicos, salientando que a composição da equipa não obedece às condições mínimas de funcionamento dos blocos de partos como se encontram definidas na Norma Complementar 1/2013.

Para isso, sugere-se em anexo uma minuta de requerimento.

O atendimento das grávidas, muitas vezes, é subsumível ao conceito de atendimento urgente/emergente, o que fundamenta o dever de os enfermeiros assegurarem a prestação de serviços mínimos, tal como os médicos, e que, igualmente, se refere no requerimento em anexo.

A Ordem dos Médicos está profundamente preocupada com as grávidas e com a qualidade das condições de trabalho das equipas multidisciplinares.

Já referimos publicamente a justiça subjacente à pretensão dos enfermeiros especialistas em serem melhor remunerados que os enfermeiros generalistas.

No momento adequado, o Bastonário da Ordem dos Médicos, questionado pela LUSA sobre a legalidade do processo em curso, disse ter dúvidas sobre o mesmo, o que levou o Ministro da Saúde a pedir um parecer à Procuradoria-Geral da República.

A Ordem dos Médicos fica inteiramente disponível para ajudar os médicos, contribuir para a qualidade, bem estar e segurança das mulheres grávidas, e defender as pessoas.

O Colégio de Ginecologia Obstetrícia da Ordem dos Médicos

O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos

Porto, 3 de setembro de 2017


DOWNLOAD

Norma Complementar 1/2013
Minuta de requerimento_falhas na constituição das equipas
 
 
© 2006-2009 Ordem dos Médicos. Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser copiado, publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Desenvolvido por Novos Domínios.com, S.A.
 
 
Pagina Principal